O 17, día de Carvalho Calero

Ricardo Carvalho Calero, mártir e mito

Paulo Fernández Mirás

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Abondosos textos viram a luz tendo como tema principal a obra e vida do senhor Carvalho Calero e, serei eu, nado no ano 1990 quem fale hoje dele 28 anos após a sua morte. Muitas das pessoas que analisaram os trabalhos de Carvalho tiveram a sorte de o conhecer em pessoa e mesmo de tê-lo como professor, como não é o meu caso, não vou descobrir aqui algo novo. Portanto, direi umas breves palavras do que para mim significou e significa este grande vulto da cultura galega.

Carvalho dentro da política galega. Serei conciso, pois quem queira disto saber, entre outras obras, deve ler o livro escrito por Pilar Garcia Negro Ricardo Carvalho Calero: a ciencia ao servizo da nación. É necessário sabermos que Cavalho Calero foi cofundador do Partido Galeguista e que colaborou na elaboração do Anteprojeto de Estatuto de Autonomia para Galiza. Devemos lembrar também que lutou pela República e que foi encarcelado e perseguido por isto durante mais de 15 anos. Isto demonstra, sem lugar a dúvidas, o compromiso do nosso autor com a Galiza e a sua situação política. Há pessoas desde as instituições que tentam apagar a figura de Carvalho por ter “um carácter influenciado por valores idelógicos” desmerecendo os sacrifícios que fez pela nossa terra e pela nossa gente. Pergunto eu, quem carece de ideologia? Desde quando é que uma pessoa merece menos reconhecimento polo seu trabalho por pensar diferente aos demais? Deixo estas perguntas no ar.

Carvalho ensaísta e o processo de normativização. Ricardo Carvalho Calero foi um grande estudioso da língua galega, à que lhe dedicou, como diz Maria Victoria (a sua filha) em várias ocasões, toda a sua vida. Podemos resgatar do seu percurso vital mais de uma vintena de obras de ensaio e inúmeros artigos para revistas (entre elas Grial), nos que se debruça sobre a situação sociolinguística do galego entre outros assuntos. Esta dedicação foi tão grande que em cartas a Francisco Fernández del Riego aparecem mensagens em que assegura botar mais de 12 horas diárias trabalhando para dar a lume as obras Gramática elemental del gallego común e a História da literatura galega, além do tempo que invertia no Colégio Fingoi como diretor e professor. Ademais destas duas obras, de fulcral importância para o galego, e doutras muitas que não posso mencionar por falta de espaço, cumpre destacar o seu papel na normativização da língua galega. O nosso autor foi o que, junto com Piñeiro e Filgueira Valverde, elaborou as primeiras normas da Real Academia Galega (RAG) dos anos 1970 e 1971; estudou as gramáticas clássicas e elaborou (por falta de gramáticos na RAG), alentado por Piñeiro, a sua própria gramática, que foi publicada em Galaxia (chegando a ter até 7 edições). Aliás, também presidiu a Comissão de linguística da Junta em 1980 para elaboração de normas para o galego. Mais uma vez, findo este segundo ponto comentando que foi criticado polo seu achegamento ao movimento reintegracionista e condenado ao ostracismo por grande parte dos seus supostos amigos e companheiros estudiosos. Carvalho sempre foi muito rigoroso com as suas análises e decisões, deveria ser condenado por ser objetivo por ter conclusões diferentes às de outros estudiosos?

Há pessoas desde as instituições que tentam apagar a figura de Carvalho por ter “um carácter influenciado por valores idelógicos” desmerecendo os sacrifícios que fez pela nossa terra e pela nossa gente. Pergunto eu, quem carece de ideologia?

Carvalho como criador literário. Para além das obras de ensaio, pelas que o nosso autor é mais conhecido no âmbito académico, também devemos comentar a sua faceta de polígrafo. Entre poemários, novelas e obras de teatro, Carvalho Calero quase atinge a vintena de obras. Podemos destacar os dous prémios de narrativa pelas novelas A gente da Barreira (Bibliófilos Gallegos no ano 1949) e Scórpio (Prémio da crítica galega no ano 1987), sendo esta primeira a primeira novela de posguerra em galego. Quanto às obras de teatro, chegou a representar alguma delas, como a Farsa das zocas no Colégio Fingoi, mas o género em que Carvalho se sentia mais representado era a poesia (como ele mesmo afirma em Conversas en Compostela com Carballo Calero de Anxo Fernán Vello e Pillado Mayor). A lírica carvalhiana carrega com a sua essência e, lendo os seus poemas, podemos reviver os seus anos pelo Ferrol, os seus namoros ou mesmo a sua religiosidade, todo marcado com o seu especial carimbo. Assim define ele a poesia: “A poesía é unha entidade biolóxica cuia xustificación, como a de todos os seres vivos, está na sua própria existencia; e folga toda lexitimación trascendental. É máis, a poesía non ten outro princípio que o princípio vital, nin outro fin que se manifestar. Hai poesía sana e poesía doente, poesía viva e poesía morta ‒que é o absurdum poético. Non hai unha idea arquetípica da poesía. Cada poema ten un ideal inmanente. Estou com Aristóteles e contra Platón” (recolhido em Lorenzana, na revista Grial 1980:447). Para findar este terceiro ponto, farei de novo umas perguntas que acho pertinentes: Devemos desbotar a obra de Carvalho Calero, a de Ernesto Guerra da Cal ou a de muitas outras escritoras e escritores por não seguir a regras ortográficas estipuladas pelo ILG-RAG? Podemo-nos permitir perder a autores e autoras e as suas obras dentro da nossa literatura?

A sombra de Carvalho cada vez é mais grande, e as tentativas por apagá-lo não dão certo e o único que fazem é criar um mito.

Em resumo, Ricardo Carvalho Calero é uma peça essencial dentro da cultura galega e especialmente da relacionada com a nossa língua. Foi e é mártir pelas decisões tomadas no passado tanto a nível político como linguístico; um claro exemplo disto é o sobrenome do eterno candidato ao Dia das Letras Galegas. Não quero entrar em se deveria ou não optar a este “honor”, mas sim deixar claro que cumpre toda condição para ter sido nomeado há muito tempo. Por último, só resta dizer que a sombra de Carvalho cada vez é mais grande, que as tentativas por apagá-lo não dão certo e que o único que fazem é criar um mito, além de deixar em evidência certos problemas estruturais no nosso sistema literário e as instituições que com ele estão diretamente relacionadas.

Ordes, 17 de novembro.

Paulo Fernández Mirás

Paulo Fernández Mirás

Ordes, 1990. Graduado em filologia inglesa, galega e portuguesa. Namorado da língua e da literatura galega. Escrevo poesia no tempo livre e começo com os meus primeiros artigos em jornais digitais. "Seremos nós mais que nos nossos sonhos?"

Deixe um comentário

Deixe um comentário