Sobre o fazer profissional desde e com os feminismos: reflexons e posicionamento

Um texto de Mari Fidalgo, Mar F. Cendón e María Rosendo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Somos Mari Fidalgo, Mar Cendón e María Rosendo. Desde há dous anos conformamos umha equipa multidisciplinar de investigaçom e açom, orientada ao trabalho de despatriarcalizaçom de espaços e grupos. Consideramos que revisar e desmontar as relaçons de poder, ao tempo em que construímos coletivamente ferramentas de empoderamento, som tarefas fundamentais para a emancipaçom pessoal e social. O obradoiro Gênero, poder e feminismo: transformando as relaçons e os cuidados nos grupos materializa-se como a nossa primeira e talvez mais conhecida iniciativa. É mesmo possível que tu que estás a ler agora este texto tenhas participado nalguma das formaçons que levamos facilitado neste tempo.

Sabemos que os tempos produtivos som bem diferentes aos reprodutivos e daquela, nós mesmas temo-nos plantexado ao longo destes meses a pertinência de fazer público este texto sendo que as conclussons que nel verquemos já foram debatidas e reflexionadas há muitos meses, em concreto a partir do mês de julho do passado ano, quando a Concelharia de Igualdade e Diversidade da cidade de A Corunha nos comunicou a sua vontade de continuar a trabalhar com nós na 2ª Ediçom da Escola de Empoderamento Feminista e quando se cumpriam quase dous meses do desalojo do CSOA A Insumisa na mesma cidade.

Naquela altura nós decidimos nom voltar a fazer parte da Escola de Empoderamento Feminista (EEF). Decidímo-lo de maneira conjunta, debatida e trabalhada desde o reto de abraçar todas as vozes e posturas, todos os medos e sentires; sustentando como melhor podemos, ou seja em coletivo, as contradiçons, dúvidas e encruzilhadas que supom esse posicionamento -mesmo quando o assunto em causa envolve euros e oportunidades laborais. Mas também sem perder de vista o rol de sujeitas críticas que conleva o posicionamento feminista onde nos sentimos situadas, de questionamento permanente do modelo cultural patriarcal.

Decidimos nom voltar a fazer parte da Escola de Empoderamento Feminista. Decidímo-lo de maneira conjunta, debatida e trabalhada desde o reto de abraçar todas as vozes e posturas, todos os medos e sentires; sustentando como melhor podemos, ou seja em coletivo.

Por isso agora, ainda passados mais de 4 meses da toma dessa decissom e já rematada também a 2ª ediçom da EEF, decidimos igualmente pôr palavras ao silêncio e dar significado político à nossa decissom de nom participar da segunda ediçom da Escola.

Entendemos que é incompatível com a nossa ética enquanto feministas críticas estar a pular por desmontar as relaçons de poder e dominaçom, e por construir ferramentas de empoderamento, e ao mesmo tempo dar cobertura a atuaçons que representam o abuso de poder, a violência institucional e o esfarelamento das iniciativas de autogestom e auto organizaçom comunitárias. Desde a nossa perspectiva e no concreto, isto último é o que supuxo a gestom realizada pelo governo de En Marea sobre o desalojo do CSOA A Insumisa.

Para nós o sentido do empoderamento que propom o feminismo que nos convoca -anti capitalista, anti autoritário e crítico com a cis hetero normatividade colonial- é mobilizar o poder para transformar as nossas vidas e as sociedades nas que nos desenvolvemos. Desde o nosso ponto de vista isto passa inevitavelmente por abrir fendas neste sistema atroz e liberar espaços da influência institucional, mercantilizadora e normalizante. Por esse motivo, nom compreendemos como se pode gerar empoderamento feminista desde uma instituçom que abusa, reprime, fragmenta e desgasta as iniciativas de contra poder.

Sabemos que nesse ponto adoita abrir-se o debate de se nom estaremos sendo demasiado exigentes com a chamada esquerda institucional. Nós assumimos que sim, que exigimos mais de quem, em princípio, vem dos movimentos sociais de base. Pensamos que atuar dessa forma é agir com responsabilidade política e com o foco posto em avançar coletivamente ampliando as possibilidades de emancipaçom.

Com a publicaçom deste texto nom só queremos dar significado a nossa decissom, mas sobretudo contribuir ao debate sobre a necessidade de autonomia dos feminismos. Sobre como nos relacionamos com as distintas estruturas e dispositivos de poder e como avançamos no difícil equilíbrio entre o ativismo e o fazer profissional desde e com os feminismos.

Galiza, inverno 2019

Deixe um comentário